A Garrafa Armadilhada

Não é a tomada de consciência que nos permite sair da armadilha da “garrafa apanha moscas”

Por vezes estamos de tal forma embrenhados nos nossos problemas, q

Não é a tomada de consciência que nos permite sair da armadilha da “garrafa apanha moscas”

Por vezes estamos de tal forma embrenhados nos nossos problemas, que parece que demos um nó na mente e que estamos a viver uma “pescada de rabo na boca”. Parecemos então moscas numa armadilha de garrafa, que se debatem até ficarem tontas de tanta pancada que ão contra as paredes de plástico.

E por vezes quando somos moscas tontas, o gargalo está bem à nossa frente completamente aberto e não o conseguimos sequer ver.

 

É bem mais fácil vislumbrar a solução quando estamos da parte de fora da garrafa!

 

Para se sair de uma situação problemática, torna-se útil pensarmos de uma forma completamente neutra.

Só assim poderemos então ver que a armadilha apenas existia na nossa cabeça e que as paredes da nossa cela não passavm de uma construção mental. Eu sei do que falo…já lá estive.

 

Uma terceira pessoa, como um amigo ou um familiar pode frequentemente ajudar-nos a ver o problema sob esta perspectiva. Sobretudo quando voamos tontos há tanto tempo na nossa garrafa que já nem distinguimos os contornos da mesma.

 

No entanto em muito casos (que não foi o meu), podemos adotar a postura de um observador imparcial, projetando-nos mentalmente no filme do nosso problema. Como uma tela de cinema imaginária à nossa frente.

Fecha os olhos se necessário e visualiza-te, a ti e às pessoas envolvidas no problema, e vê como todos estão a agir. Agora encarna o papel de realizador desse filme, e pergunta-te o que a personagem que te representa, poderia fazer para compor as coisas.

Mas atenção, deves sobretudo modificar o comportamento da tua personagem e não dos outros atores. Pois na realidade não podes senão modificar-te a ti mesmo.

O que vai acontecer, por estares apenas a visualizar uma representação de ti mesmo, é que, estando de fora vais rapidamente vislumbrar uma solução.

Agora só tens que a colocar em prática.

 

Abraço

Autor: oliviercorreia

Sou um tipo bem disposto. Um pai de família. Há pouco mais de uma ano atrás, resolvi dizer basta ao emprego tradicional e a passar 10 horas por dia fora de casa, longe de quem amo. Hoje conquistei a minha liberdade, quer de tempo, quer financeira. Trabalho a partir de casa na Internet, faço o meu próprio horário e não dependo de patrões nem empregados. O meu foco principal é ajudar outros a fazerem o mesmo, ensinando-lhes as competências necessárias para tal. Se te interessa este estilo de vida e um rendimento bem acima da média, contacta-me.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *