Definir Um Objetivo (2/2)

Eis a segunda parte do artigo Definir Um Objetivo (Podes ver aqui a primeira parte)

 

4. A ecologia do objetivo



 

É agora tempo de veres se o teu objetivo é de facto “ecológico”. Não haverá interesse em prosseguir um projeto, que poderia por exemplo custar-nos a nossa relação de casal, ou até a nossa integridade física, ou qualquer elemento indispensável ao nosso equilíbrio.

Tu é que tens refletir sobre a “ecologia” do teu projeto, se existem obstáculos e se são ou não transponíveis.

 

Vê então como contornar ou até “desarmar” esses obstáculos.

Mesmo não entrando em pormenor na execução de um plano de ação neste artigo, esta etapa constitui no entanto um dos seus fundamentos: uma vez os obstáculos e os apoios identificados, dispões de uma “cartografia” que te vai ajudar a colocares o teu projeto em prática.

Reflete atentamente nos pontos seguintes:

 

  • Quais são os interesses das pessoas implicadas neste objetivo? Estes são respeitados?

  • Haverá consequências negativas para mim? Devo fazer sacrifícios e renunciar a algo, e se sim, estarei eu preparado?

 

  • Haverá consequências negativas para os outros? Se sim será possível poupá-los a essas consequências negativas?

 

  • Tendo em conta o contexto e a ecologia, será realista lançar-me neste projeto?

 

  • A energia investida na realização do objetivo é justificada pelo resultado? Vale a pena a relação custo/proveito dessa mesma energia?

 

  • Terei alguns trunfos para realizar esse objetivo? Terei aliados que me vão ajudar e motivar no processo?

 
O ideal é que o objetivo tenha consequências positivas mais importantes do que as negativas.

É igualmente importante, que todas as pessoas implicadas diretamente, consciente ou inconscientemente no teu projeto, achem benefícios.

No entanto é difícil estarmos sistematicamente num processo de ganhar/ganhar a 100%. Tender para isso é de facto importante! É bom que todo o ambiente seja favorável à realização do projeto. Mas lembra-te sempre!

Esta mudança não irá necessariamente agradar a todos!

És tu quem tem que decidir se o risco te vai bloquear ou não. Deves refletir nas formas de o tornares o mais positivo possível para todos os interlocutores.

Uma simples e clara explicação, ou uma exposição tendo em conta as necessidades das pessoas mais importantes para ti, pode ser-te bastante vantajoso e assegurar o teu sucesso!

O sucesso usa sempre sempre o caminho do trabalho!

 

5. Medir os resultados

Saber exatamente o que se quer é ótimo. Mas como sabemos com precisão, que obtivemos o que queríamos?

É por esta razão que devemos determinar os critérios internos (sentimentos, estado de espirito, mudanças na forma de agir e pensar) e os critérios externos (titulo obtido, objetivos concretizados, relações asseguradas, inserção numa rede, etc.). Estes critérios vão permitir-te afirmares em “alto e bom som”:

«Consegui atingir o meu objetivo!».

 

O melhor é fixar critérios de avaliação que te vão permitir saber se atingiste o teu objetivo, mas também de saber se estás no bom caminho no decorrer da jornada.

É importante verificar regularmente que rumamos no bom sentido, que o nosso objetivo não mudou, ou simplesmente que ainda não o ultrapassámos. Coloca-te as seguintes questões:

  • Como posso saber que estou no bom caminho?
  • Como e quando vou avaliar o meu progresso no decorrer da jornada?
  • O que irá acontecer quando souber que atingi esta etapa do meu objetivo ou o objetivo na sua íntegra?

Toma o teu tempo para refletires sobre este aspeto, vai permitir-te traçar e corrigir o teu percurso, reajustar os teus esforços. Mas também manteres os teus níveis de motivação, constatando o progresso à medida que vais caminhando.

Isto vai ajudar-te a por vezes a voltares a clarificar o teu objetivo. Evitando assim perdas de tempo precioso.

É importante saber-se o que se quer, mas no entanto se não soubermos detetar os resultados, podemos errar durante muito tempo e sobretudo não percebermos em que ponto estamos. Já para não falar que, um objetivo atingido é uma fonte de inspiração formidável para a realização de outros objetivos, mesmo em diferentes áreas.

 

Para concluir

Este processo é simples e no entanto muito importante. Quanto mais tiveres os teus objetivos definidos, mais a concretização aumenta.

Assim como que, com objetivos bem claros a motivação é maior e resistente ao processo em si.

É igualmente importante e interessante, refletires nos recursos e competências que deves mobilizar para atingires os teus objetivos!

Atenção: Este artigo é uma ajuda, mas em última instância depende sempre de ti!

Há algo muito importante que nunca deves descorar:

És tu quem deve desenvolver as competências necessárias, para atingires os teus objetivos. E nunca! nunca deixes, de investir na tua formação e desenvolvimento!

 

Anexo

Podes utilizar esta lista para te ajudar na definição do teu objetivo:

1- Definir o objetivo.

O que quero ? Quando ?
Formular de forma positiva

 

2- O objetivo é exequível ?

Posso atingir o meu objetivo ?
Depende de mim ?

 

3- Quais os resultados esperados ?

O que obtenho quando cumprir o meu objetivo ?
O que me vai trazer ?
O que persigo de mais importante através do meu objetivo ?

 

4- A ecologia do objetivo.

Quais os meus aliados ?
A que devo renunciar ?
Quais as consequências positivas/negativas para mim e para os outros ?

 

5- Como medir os resultados ?

No decorrer do processo e no fim ?
Ao nível interno e esterno ?

 

6- Mobilizar recursos.

 
Consulta os elementos apontados durante a clarificação do objetivo, para assim poderes ver claramente de onde partiste e onde já chegaste.

Se chegaste até aqui só me resta agradecer-te por teres lido e desejar-te uma boa definição de objetivos 🙂

Forte Abraço!

Tu Consegues!

Para qualquer pessoa que inicia o seu negócio online, existem como em todos os outros negócios, várias fases.

No internet Marketing é assim:

A primeira fase é conhecida pela fase do “grind”, a fase da rotina, a fase da mecanização e do trabalho. A fase da aquisição de novos conhecimentos e competências! A fase onde apenas temos que aprender e produzir!

A segunda fase, é a fase da expansão. A fase da equipa, a fase onde fazemos crescer uma grande organização.

A terceira fase, consiste na fase da duplicação, é a fase da construção de sistemas em si.

Neste artigo vamos cobrir apenas a primeira fase e para a entenderes deves ver o vídeo abaixo que fiz para te elucidar:

Agora que já viste o que vais ter que fazer, podes então tomar a tua decisão informada!

Não te esqueças. Não há atalhos!

Forte Abraço e até já 😉

 

BOTAO PDF

Definir Um Objetivo (1/2)

Seja qual for a área da tua vida (trabalho, lazer, projeto de vida, etc…), assim que identificas que a tarefa a realizares é minimamente complexa, ou que o objectivo a longo prazo requer muita da tua energia, é necessário passar pela fase de clarificação do objetivo.

A ideia aqui é tomar consciência dos diferentes elementos e/ou obstáculos que podem vir a surgir no caminho que se vai percorrer até se atingir esse mesmo objetivo. Não vamos ainda passar à real planificação desse objetivo, mas sim à clarificação do mesmo e a perceber o que a sua realização implica.

 

Como fazer ?

 

 

Vamos proceder em 5 etapas que vou desenvolver seguindo este registo:

1- Definir o objetivo

2- Verificar a exequibilidade do objetivo

3- Quais os resultados esperados ?

4- A ecologia do objetivo

5- Como medir os resultados ?

 

Mesmo se representarmos as etapas de forma sequencial, na realidade vais provavelmente completá-las de forma simultânea.

O ideal será seguir a sequência proposta voltando atrás à medida que forem surgindo elementos complementares, ou se surgirem elementos contraditórios (entre o objetivo e o seu aspeto realizável por exemplo).
BOTAO PDF

 

 

 1. Definir o objetivo

 

Trata-se aqui simplesmente de formular o objetivo de forma clara e precisa. Mas atenção, mesmo que pareça simples, é sempre necessário um mínimo de reflexão. Esta vai ser a base sobre a qual vamos elaborar depois o plano de ação a seguir, que será objeto do próximo artigo.

 

A questão a colocar é então a seguinte: «O que quero eu ?». O ideal deve ser preciso. Uma vaga ideia («quero ser feliz», «quero ser profissionalmente bem sucedido», etc.) terá que ser definida e sub-dividida em vários objetivos. É igualmente importante contextualizar o objetivo: qual a data para o cumprir? qual o contexto (onde, com quem, etc.)? Estas circunstâncias são importantes e vão ajudar nas próximas etapas.

 

Por fim o objetivo deve ser formulado de forma positiva. Para dizer a verdade aqui devemos entrar num registo construtivo, não pode ser uma recusa ou a fuga a uma situação. Assim, um objetivo do género: «já não quero continuar a fazer este trabalho», não é construtivo nem positivo. A ideia aqui é questionar «o que poderei eu fazer em vez deste trabalho?», estudar o contexto necessário para a realização deste objetivo e datar a sua realização futura. Sem um objetivo bem definido irás verificar que é difícil trabalhar na etapas seguintes! 

 

 

2. Verificar a exequibilidade do objetivo

 

Ter um objetivo é bom, mas se é apenas uma ilusão ou algo impossível de atingir tecnicamente ou materialmente, não irás longe como é óbvio!

 

Por isso esta etapa é tão importante. No entanto não te desencorajes ao primeiro obstáculo! Retomemos o exemplo de alguém que quer mudar de profissão: esta pessoa pode dizer para si mesmo que é financeiramente impossível, sem mesmo explorar as suas circunstâncias, diferentes ajudas possíveis, etc. Este é o tipo de registo que pode retardar a data da realização do objetivo, mas isto não coloca em questão o facto deste ser exequível!

 

É necessário verificar se o objetivo previamente definido, é realizável tendo em conta todas as circunstancias (ligadas à própria pessoa e ao exterior) e no contexto económico, familiar, etc. No entanto tomamos em conta nesta etapa apenas os aspetos técnicos, não os emocionais (que serão abordados no ponto nº4). Vamos então inicialmente nos debruçar sobre o facto do objetivo ser realista em primeiro lugar e depois realizável.

 

Coloca-te esta questão: « Este objetivo depende de mim ? ». Se for verdade a 80%, continua interessante. Se no entanto este depende exclusivamente de uma decisão administrativa sob a qual não tens qualquer tipo de controlo, não será necessário elaborar mais acerca da questão.

 

 

3. Quais são os resultados esperados ?

 

Convido-te nesta etapa a responderes às seguintes questões:

 

  • Qual o resultado da realização deste objetivo ?
  • O que eu persigo de mais importante através deste objetivo ?
  • O que me trará ?
  • Atingir este meu objetivo resulta em novos objetivos ?

Para ficar simples, é necessário refletir às consequências da realização do objetivo (tanto sob o ponto de vista emocional, como acerca das consequências externas – sociais, materiais, organizacionais, familiares, etc.). Pode ser interessante fechares os olhos por alguns instantes e imaginares-te com o objetivo atingido. O que sentes ? O que te vem à mente ? Quais são então agora os teus novos objetivos, as tuas vontades ?
(Podes ver um artigo sobre a visualização positiva aqui)

 

Podes ler a última parte deste artigo AQUI

 

Forte Abraço!

Vive Agora!

Viver é tão sensacional, que sobra pouco tempo para fazer outra coisa

 
Emily Dickinson

 

 

Será que tens «alguma outra coisa» que corres tanto atrás ao ponto de te esqueceres de viver?

Sustens a tua respiração e economizas energia até ao dia em que…?

E se revertesses o paradigma, para te consagrares ao momento presente. Se o experimentasses a fundo, se te abrisses a tudo o que te pode oferecer, se o degustasses na sua plenitude. E se deixasses ao passado e ao futuro apenas as migalhas de tempo e da tua atenção?

A vida é aqui e agora!

Agarra-a!

Como Manter uma Organização no Internet Marketing

O Internet Marketing e a Indústria do trabalho a partir de casa, são o setor de atividade mais propenso a criar rendimentos massivos no mais curto espaço de tempo. Sendo assim considerada a indústria que mais liberdade pode vir a trazer para um ser humano.

Todos os “amantes” desta indústria, fazem aquilo que fazem e da forma apaixonada como o fazem, porque acima de tudo querem ser livres! Eu incluo-me obviamente de corpo e alma nesta noção.

O que acontece frequentemente não é bem assim, a realidade é outra. Muitos são aqueles que apregoam o sonho e vivem o pesadelo!


Ao longo deste artigo, vou dar-te uma série de dicas que aprendi com os melhores dos melhores, principalmente com alguém que admiro bastante e com quem já tive o prazer de privar: David Wood, um dos cofundadores da Empower Network.


Nota: Este artigo é direcionado a profissionais do Internet Marketing, na medida em que as pessoas que não estão familiarizadas com esta Indústria poderão sentir-se um pouco “deslocadas” com alguns conceitos e noções. No entanto se é o teu caso, podes perfeitamente lê-lo, estou certo que te poderá ser útil no futuro 🙂

A primeira dica que te quero passar tem a ver com controlo! E quero que fixes isto:

– Tu não controlas nada nem ninguém!

Todos aqueles que têm ou já tiveram uma organização, passaram por isto. Quem não quis já controlar a sua organização se a teve? Quem não quis já saber o que se passava com cada um deles individualmente? O que estão a fazer? Estarão a trabalhar? Estarão a produzir? Estarão a inventar?

Todas as pessoas que têm o tiveram uma organização passaram por isto!

Mas isto até se pode conseguir, se tivermos uma organização relativamente pequena, podemos conseguir manter as pessoas ali na nossa esfera de influência, e claro…passar 12 horas por dia ocupado ao telefone ou no Skype com eles.

O que vai acontecer é que eles depois vão duplicar esta forma de trabalho, e como esta forma de trabalho não é de todo a liberdade que apregoamos, fartam-se e vão-se embora. Assim se desmorona uma organização!

Porquê?

Porque as pessoas quando entram não compram um produto nem uma oportunidade, compram um sonho! Compram uma visão! Compram liberdade!

E o que acontece a alguém que compra um sonho de liberdade e acaba por se sentir preso?

– Acorda e vai-se embora!

A estratégia é não controlar!

Quem nesta indústria não gostaria de ter uma organização tão grande ao ponto de não a controlar?

Uma organização onde nem sequer tivesse que conhecer as pessoas? Pois essas mesmas pessoas estariam num sistema funcional, duplicável e acima de tudo um sistema com uma cultura!


 
O problema não é recrutar, não é produzir. Qualquer Internet Marketer que faça jus aquilo que se intitula sabe produzir, sabe recrutar.

E só há 3 formas de produzir e recrutar:

Pelo conteúdo e pelo valor desse mesmo conteúdo, trazendo soluções para os problemas de um público-alvo específico, tornando assim esse nicho num mercado morno e facilitando o recrutamento por atração e influência.

Pelos números, gerando uma quantidade massiva de leads (contactos) diários, que vão ser um mercado mais frio mas que vão no entanto “aquecer” através da distribuição de valor por email marketing. Por forma a criar-se uma relação de atração/identificação com essas leads.

Ou simplesmente da duas formas!

Mas isto não faz as pessoas ficarem nas organizações!

Então o que retém, ou aumenta a retenção das organizações?

As crenças!

Se houver uma mudança no sistema de crenças da organização, há uma mudança de comportamentos e ações. É aqui que nos temos que focar!

Quando mudamos aquilo em que acreditamos, mudamos a nossa forma de agir!

O que acontece, é que muitos de nós têm construído as suas organizações sem mudar os sistemas de crenças das suas pessoas. E quando as pessoas não mudam os seus sistemas de crenças, podem fazer exatamente aquilo que são supostas fazer que não resulta!

As nossas crenças transmitem-se sob forma de energia, e as pessoas sentem-nas. Neste caso como elas não mudaram, o que sentem são as crenças relacionadas com o controlo, e são precisamente essas que vão tentar duplicar.

O segredo (que não é segredo nenhum) é:

1 -Não querer controlar!

2-Ter a perfeita noção que produzir é diferente de duplicar

Produzir é vender, ao passo que duplicar é gerar uma sustentabilidade viral. É perpetuar um movimento.

É claro que se pode apenas produzir e não duplicar…e isso pode resultar para alguns. Para aqueles que conseguem produzir mais rápido do que as pessoas desistem. Para aqueles que geram números massivos de leads. É o “tira e mete” constante.

O que pode muito bem acontecer no entanto, a alguém com uma organização grande e que só produza, é que nunca se poderá afastar por muito tempo do seu negócio. Sob pena da organização desmoronar.

Mas será essa a definição de liberdade de que tanto falamos? Não me parece!

Não é o rendimento residual que nos traz liberdade.

Muitas pessoas pensam que vão arranjar uma organização de 300 indivíduos e viver do rendimento residual de $100 dólares de cada um deles, para se poderem simplesmente “reformar” ou algo parecido.

Isso não acontece. Nunca!

Se não juntarmos o rendimento residual ao rendimento produtivo duplicável, nunca iremos ter essa liberdade.

Entenda-se por rendimento produtivo, as vendas a pessoas que já fazem parte da organização (upsell) e as novas vendas.

Uma organização começa a funcionar e as taxas de retenção a aumentar, quando começam a ganhar dinheiro! Ponto final!

Quando as pessoas começam a ganhar entre $500 a $1.000 dólares por semana, deixam de desistir e a estrutura começa a entrar em autogestão. Acima de tudo a duplicar.

Aqui começa-se a produzir não só em primeira linha, com afiliados diretos, mas também em profundidade.

Esta é a forma de manter uma organização.

Nunca esquecendo que não são apenas os sistemas que mantêm as organizações, mas sim os sistemas em conjunto com a cultura dessa mesma organização, os seus mecanismos sociais.

Por último e não menos importante, e aqui vou referir o quadro inteiro. Devemos saber olhar para o conjunto ou os conjuntos da nossa organização e perceber perfeitamente em que faze se encontram. Em que estágio da curva de aprendizagem estão.

Assim se aliarmos a esse conhecimento, um sistema que forneça os meios de se fazer o negócio, as leads ou o conhecimento para as gerar, o seguimento através de formação, grupos de trabalho e um backoffice intuitivo e um sistema de upsell. Não nos esquecendo de aliarmos a isto uma cultura bem definida baseada num sistema de motivação através do desenvolvimento pessoal, temos a máquina perfeita!

Espero que tenhas ficado esclarecido.

Se precisares de qualquer tipo de ajuda para o teu negócio não hesites em contactar-me.

Forte abraço e bons negócios 🙂

Historia Vivida Para Meditar

Um músico de rua estava de pé,  na estação “L’Enfant Plaza” do metro de Washington DC.
 

Era uma manhã fria,  em Janeiro do ano passado…
 

Tocou durante quarenta e cinco minutos. 

Começou com Bach, depois o Ave Maria de Schubert, Manuel Ponce, Massenet e, de novo, Bach.

Na hora de ponta (eram quase 8h da manhã), alguns milhares de pessoas atravessaram a estação, a maior parte delas a caminho dos seus empregos.

Após três minutos, um homem reparou no músico que tocava.  Abrandou o passo, parou alguns segundos, e retomou o seu caminho acelerando.

Um minuto mais tarde, o violinista recebeu o seu primeiro dólar :

Sem parar, uma mulher depositara uma nota a seus pés.  Alguns minutos mais tarde, outro homem encostou-se a um pilar para o ouvir mas, olhando para o seu relógio, recomeçou a caminhar.  Estava visivelmente atrasado…

Quem mais chamou a atenção foi um menino de cerca de 3 anos. A sua mãe puxou-o, apressada, mas a criança parou para ver o violinista… finalmente, a mãe pegou nele para que recomeçassem a andar. A criança levada pela mãe manteve sempre a cabeça virada para o músico…

Durante os 3/4 de hora que tocou, apenas sete pessoas  pararam verdadeiramente para o ouvir, por pouco tempo…

Recolheu ao todo 32 dólares…

Quando parou de tocar, ninguém reparou nele. Ninguém o aplaudiu.  Uma única pessoa o reconheceu, entre milhares…

Ninguém percebeu que este violinista era Joshua Bell, um dos melhores músicos do planeta. 

 

No corredor da estação tocou as mais difíceis partições alguma vez escritas, com um Stradivarius de 1713 no valor de 3,5 milhões de dólares.

Dois dias antes de tocar no metro, a sua última prestação tinha sido no teatro de Boston à porta fechada, só para convidados especiais, onde os preços rondavam os 1.000 dólares o bilhete.

Esta é uma história verídica

O evento Joshua Bell a tocar incógnito numa estação de metro, foi organizado pelo Washington Post,  no quadro de um inquérito sobre a perceção dos gostos e das prioridades de ação das pessoas.

As questões eram:
 
• Até que ponto nos apercebemos da beleza no nosso meio ambiente a uma hora inapropriada?  

• Iremos parar para a apreciar? 

• Podemos reconhecer talento num contexto inesperado? 

 

Conclusão desta experiência: 

Se não temos tempo de parar para escutar um dos melhores músicos do mundo, tocar algumas das mais belas partições alguma vez compostas

Ao pé de quantas outras coisas excecionais passamos nós…?

 

E Tu? Não estarás a deixar passar nada?

Não Deixes Passar Isto!

Não tenho Dinheiro!

Procuras financiar um projeto?

Precisas de dinheiro para investir no teu negócio?

Neste artigo proponho-te um “boost” de criatividade para arranjares soluções hoje ainda!

 

« Não Tenho Dinheiro para Investir no Meu Negócio » !

 

Se empreendeste algum projeto, ou se acabaste de iniciar um negócio online, vais precisar de fundos para financiar e lançar a tua atividade.

A vantagem do marketing de afiliados (falo da empresa com a qual trabalho) é que o investimento inicial é muito inferior a uma empresa do negócio tradicional.

Umas poucas centenas de dólares servem para iniciar o negócio e com 3 ou 4 mil dólares compram-se todos os produtos.

Se pensas que não tens dinheiro para investir no teu negócio e na tua educação, então és provavelmente vítima de crenças limitativas!

Mas tranquiliza-te, não és o(a) único(a).

O problema é que poucas pessoas têm essa consciência. E alguns até rejeitam a ideia de terem crenças limitativas.
Para saber se tens crenças limitativas em relação ao dinheiro, podes ler o livro de T. Harv Ecker  «Segredos da Mente Milionária», verifica se colocas em prática os 17 princípios do livro.

Podes descarrega-lo clicando na imagem abaixo:

 

 

Eu & As Minhas Crenças Limitativas

 

Pessoalmente, as minhas crenças limitativas atrasaram a progressão do meu negócio. Só passados 4 meses e meio de ter iniciado a minha atividade é que comecei a modificar as minhas crenças limitativas e só assim consegui mudanças positivas a nível financeiro.

Quando tomei consciência das minhas crenças limitativas e as alterei, consegui os meus primeiros $30.000 dólares em pouco mais de 3 meses.

Mesmo depois de atingir esse objetivo, continuei a desenvolver-me e a criar novas crenças positivas para tingir um patamar superior.

 

De onde vêm as nossas Crenças Limitativas em relação ao Dinheiro?

 

Ter crenças limitativas é quase inevitável, numa sociedade onde o dinheiro é tabu e os mais abastados são mal vistos.

Para compreenderes até que ponto somos influenciados desde a nossa infância, sem mesmo darmos conta, proponho-te 3 exemplos, que mostram como os media influenciam a nossa relação com o dinheiro:

 

1- « Uma casa na Pradaria »

Dependendo da tua idade, certamente que já viste, durante mais ou menos tempo, esta série de televisão. Conta a história da família “Ingalls”: Uma família de camponeses, de pessoas generosas, amigas de ajudar, engraçados, devotos, mas sem dinheiro nenhum.

Lembras-te de quem eram “os maus” nesta série?

A família Olson: família burguesa, os mais ricos da aldeia, as pessoas mais detestáveis da vizinhança.

 

2- « Batman »

O lendário Batman, tem um excelente meio de esconder a sua identidade secreta de super-herói…

Quando tira a máscara, transforma-se no milionário Bruce Wayne, um homem de negócios riquíssimo, arrogante, frio e desagradável.

Com este perfil de rico, ninguém pode suspeitar da sua identidade de super-herói generoso ao serviço dos outros!

 

3- « Titanic »

Um dos filmes mais vistos da história do cinema. Igualmente cheio de “clichés” acerca dos ricos!

Lembras-te das cenas pouco antes do naufrágio do Titanic?

Em primeira classe, os ricos «presos» jantam num ambiente de «glamour».

Uma menina leva um sermão da sua mãe, pela forma errada como segura no seu garfo!

Enquanto isso, em terceira classe, vive-se um ambiente de festa, os pobres cantam, dançam e divertem-se!

A Rose, que quase comete suicídio, é salva pelo Jack, um herói…sem um tostão!

Estas mensagens inconscientes e repetidas desde a nossa infância, não nos incitam à riqueza…antes pelo contrário!

Muitos são aqueles que desenvolvem uma tendência inconsciente em autossabotar os seus projetos, por forma a não se parecerem com essas detestáveis pessoas ricas.

Uma vez que tomes consciência destas crenças limitativas, poderás começar o trabalho de as eliminar.

 

 

História de Motivação

 

O segundo motivo pelo qual pensas que não tens dinheiro para investir no teu negócio, é a falta de motivação!

Imagina que és um fã incondicional da Ferrari, e que um dos teus amigos é dono de um dos teus modelos preferidos.

 

Hoje, ele anuncia-te, que como sabe da tua paixão, te vai vender o seu Ferrari novinho em folha por 3.000 €uros.

Vais arranjar esses 3.000 €uros?

Aliás, também sabes que depois de comprares este Ferrari, o poderás facilmente vender por 100.000 €uros!

Eu tenho a certeza que arranjarias uma solução para teres 3.000 €uros!

É tudo uma questão de motivação!

O teu negócio é esse Ferrari…literalmente!

Hoje tens que arranjar 3.000 €uros, mas mais tarde vais ganhar vais gerar 100 vezes mais dinheiro com esse investimento!

Se a tua visão estiver claramente definida e atua motivação for forte, irás achar um meio para financiares o teu projeto!

 

Exercício Criativo para Financiares um projeto

 

Para concretizares o teu objetivo principal, proponho-te este pequeno exercício.

Vai ajudar-te a passares de uma mentalidade orientada para a “Escassez e problemas” a uma mentalidade orientada para a “Abundância e Soluções”.

– Pega numa folha de papel e numa caneta.

– Faz uma lista de 50 maneiras de arranjares 3.000 €uros para investires no teu negócio, daqui a uma semana.

– Lista sem receios todas as formas que te passarem pela cabeça (está a escrever para ti)

– Relê quantas vezes forem necessárias este artigo desde o início!

– Não penses no dinheiro que vais poder ganhar com o teu negócio. Pensa no que vais poder fazer com ele! Pensa na tua família! Pensa naquilo que mais te motiva neste mundo!

– Não pares até teres escrito 50 maneiras diferentes!

Só te resta passar à ação!

Aplica uma ou várias soluções das 50 que listaste e lança-te de cabeça no teu projeto com esse financiamento!

 

Espero ter-te ajudado!

Forte Abraço!

post scriptum: TOMA AÇÃO!

 

Como Funciona o Negócio da Empower Network?

A Empower Network é uma escola de desenvolvimento técnico e pessoal, que nos capacita a podermos literalmente “brincar” com a Internet no que diz respeito à promoção e venda de qualquer tipo de produto e consequentemente ganhar rios de dinheiro!


No vídeo abaixo vais poder assistir a uma fantástica explicação sobre a visão do meu amigo Tomás acerca deste negócio.

Quer tenhas ou não um negócio na Internet,

Quer tenhas ou não um negócio tradicional,

Quer queiras adquirir novas competências ou capacitar-te a viver 100% da Internet.

Esta escola de desenvolvimento técnico e pessoal é para ti!

 

Toma ação, regista-te agora mesmo:


 

Como Fazer Face à Incerteza

A tua qualidade de vida irá sempre depender da tua aptidão em fazeres face à incerteza, da tua aptidão a acreditares em ti e nas tuas escolhas.


Há sempre um momento nas nossas vidas em que chegamos a cruzamento, onde devemos escolher que direção tomar. Geralmente é nesses momentos que temos mais tendência para nos perder e afogar num oceano de incertezas e indecisões.

 

No entanto, a pior de todas as decisões que podemos tomar é não decidir!

Quantos projetos abandonaste por estes momentos de fraqueza?

Quantas oportunidades não aproveitaste, porque não tiveste a coragem de olhar para dentro de ti mesmo para saberes o que realmente querias?

Demasiadas, se me perguntares a mim.

Hoje proponho-te algumas pistas de reflexão, que se averiguaram úteis para mim, afim de poderes fazer face aos momentos de incerteza.

 

Acredita em ti, acredita no teu potencial!

 

A chave para sair do nevoeiro, está em ultrapassar a incerteza e acreditar, acreditar em ti, acreditar no teu potencial, acreditar que qualquer que seja as escolhas que faças, serás capaz de as assumir.

 

Mas para acreditares em ti, deves primeiro aprender a conhecer-te. Deves conhecer as tuas fraquezas e as tuas forças. Deves conhecer os teus desejos e expectativas, e acima de tudo deves ser capaz de sentir o teu potencial e de fazer tudo por tudo para vivê-lo!

Deves aceitar o facto que podes fazer coisas grandes, que as tuas ideias têm valor, que tu tens valor e que o mundo precisa de ti!

 

Se não o fizeres, ninguém o fará por ti!

Assim, na próxima vez que uma oportunidade se apresentar, deves fazer uma escolha, lembra-te sempre disto! E faz a tua escolha em função
daquilo que queres realmente e não em função dos teus medos.

Porque SIM! É o teu medo é o que prolonga as tuas incertezas…

 


Não deixes que o medo te impeça de fazeres aquilo que queres

 

Na maioria das vezes que estamos indecisos é por causa do medo. Medo do que pode acontecer, medo de falhar, medo de não conseguir gerar aquilo que queremos, medo daquilo que os outros possam pensar, etc…

Estes medos são legítimos, pois fazem parte da natureza humana, mas são completamente infundados e gerados por falsas crenças. Por isso nunca deves deixar que te controlem!

O teu destino apenas a ti pertence, a tua vida pertence-te.

Então faz com que ela tenha as tuas medidas. Faz com que valha a pena ser vivida!

Nunca tenhas medo de exprimir o teu talento, as tuas ideias e o teu potencial…

Sei bem que nem sempre é fácil fazer esta escolha, mas tens que o fazer!

Pouco importa a oportunidade que se te apresenta, nunca fiques indeciso, não sucumbas à incerteza nem ao medo!

Pelo contrário, tem coragem de abraçares a vida, de correres riscos. Tem coragem de fazeres escolhas!

 

 

Não olhes para trás

 

As escolhas devem ser feitas, mas o mais importante é conseguirmos viver com essas escolhas e continuar a avançar, aconteça o que acontecer.

Uma vez tomada a decisão, nunca mais olhes para trás, mesmo se te enganaste!

Todos erramos, e esses erros tornam-nos mais fortes, mais sábios. Por vezes esses erros levam-nos para direções que não tínhamos intenção de ir. Por ir no sentido dessas direções é a melhor coisa que nos poderia ter acontecido.

 

Então confia em ti! Confia no teu potencial e acima de tudo tem a coragem de ultrapassar a tua incerteza.

Levar-te-à ao teu destino!

Do teu amigo

Combofix – Remove Todo o Malware e Spyware

O teu computador parece andar “a carvão”?

Quando abres uma página na Internet dá tempo para ires tomar café e vir?

Tens o teu browser invadido de publidade e popups?

Correm programas na tua máquina que nunca instalaste?

O mais certo é teres o teu PC infetado com Malware e Spyware!

Hoje trago-te a solução para teres sempre o teu PC com a velocidade a que o compraste e limpo de “bicharocos” chatos.

COMBOFIX

ComboFix é um programa criado e desenvolvido pela bleepingcomputer, que efetua scans à procura de malwares conhecidos e quando os encontra tenta efetuar a respectiva limpeza automática dessas infecções.

Como complemento e para que seja possível remover a grande maioria dos malwares, o ComboFix também gera um log (relatório) quando o scan é terminado. Esse log contém informações essenciais para que um alguém com conhecimentos nesta área possa analisar, diagnosticar, e remover as infecções que não forem removidas automaticamente. (o que é difícil acontecer)

Atualmente, o ComboFix pode ser executado apenas nas versões:

  • Windows XP (32-bit apenas)
  • Windows Vista (32-bit/64-bit)
  • Windows 7 (32-bit/64-bit)
  • Windows 8 (32-bit/64-bit)

O  Windows 8.1 e Windows 2000 NÃO são suportados pelo ComboFix.

 

Como usar o COMBOFIX:

para começar deves fazer o download aqui: DESCARREGAR COMBOFIX

Ou podes clicar na imagem abaixo:


Para que não hajam conflitos deves executar os seguintes passos:

1º- Imprime este artigo (vais ter que fechar o navegador)

2º – Fecha todas as janelas incluindo esta

3º – Fecha ou desabilita todos os programas de antivírus, antispyware, firewalls, etc. Estes podem interferir no bom funcionamento do COMBOFIX.

Quando os 3 passos acima estiverem feitos podes então executar o ficheiro que descarregaste (combofix.exe)

Após o duplo clique deverá surgir uma tela similar a esta:

         Aviso de Segurança para abertura de arquivo do Windows

O Windows faz surgir esta janela, uma vez que o ComboFix não tem assinatura digital. Isto é perfeitamente normal e seguro e  podes tranquilamente permitir que a ferramenta seja executada.

Agora vais ver a imagem abaixo:

Lê o Aviso Legal e se não concordares, clica no botão Cancelar para sair do programa. Caso contrário, para continuar, clica no botão Eu concordo .

Se clicaste em Eu concordo, o ComboFix será instalado no teu computador. Quando estiver completo, um ecrã azul aparecerá como a imagem abaixo mostra:

O ComboFix está a preparar-se para executar. Quando acabar, irá tentar automaticamente criar um novo Ponto de Restauro do Sistema para o caso de haver algum problema, o mesmo possa ser revertido. Quando terminar de criar o novo ponto de restauro, iniciará o backup do registro do windows, tal como a imagem abaixo mostra:

Quando terminar de fazer backup do registro, o ComboFix tentará detectar se tens instalada no teu sistema a Consola de Recuperação. Caso já a tenhas instalada, podes ignorar, saltar duas imagens abaixo e continuar a ler. Caso contrário verás a seguinte imagem:

Na caixa de mensagem acima clica em Sim para que o ComboFix dê continuidade. Segue os passos e instruções dadas para que o ComboFix finalize a instalação da Consolea de Recuperação. Quando acabar, aparecerá a seguinte imagem:

Agora deves clicar no botão Sim para continuar. Se em algum momento durante a instalação da Consola de Recuperação receberes uma mensagem de falha, permite que o ComboFix continue o scan do teu computador. Quando acabar e um log for criado poderás instalar manualmente a Consola de Recuperação.

O ComboFix irá desconectar o teu computador da Internet. Assim sendo, não te surpreendas nem te preocupe se surgirem avisos com esse alerta, pois a tua conexão será automaticamente restaurada mais tarde.

O ComboFix irá agora começar o scan no teu computador, procurando por infecções conhecidas. Este procedimento poderá ser demorado, por favor sê paciente.


Enquanto o scan é efetuado, o formato do relógio será alterado, mas não te preocupes, pois quando o ComboFix terminar serão restauradas as definições do relógio. Também verás na janela do ComboFix informação das diferentes etapas que a ferramenta vai efetuando. Tal como exemplificado na imagem abaixo:

Neste momento, há 50 etapas como pode ser visto na imagem abaixo, portanto sê paciente. O número de etapas avançará enquanto o tempo for passando.

Quando o ComboFix terminar vais ver um ecrã que te avisa que está a preparar o log, como mostrado na imagem abaixo: 

Poderá ser demorado, sê paciente. Não fiques preocupado caso vejas desaparecer o teu ambiente de trabalho, é normal e o ComboFix fará a restauração do desktop antes de terminar. Eventualmente verás uma nova janela que indicará que o programa está praticamente finalizado e  indicando que o resultado será salvo e poderá ser mais tarde encontrado em C:ComboFix.txt. Vê a imagem abaixo.


Quando o ComboFix tiver terminado, a ferramenta será automaticamente  fechada e restaurará o relógio para o formato original. Automaticamente o log também será mostrado. Vê a imagem abaixo:

Não te preocupes se não conseguires interpretar o relatório, podes simplesmente apagá-lo, reiniciar o computador e trabalhar tranquilamente com maior rapidez e segurança 🙂

Espero que te tenha sido útil!

Mais dicas AQUI


Forte abraço e tá à próxima dica 🙂