Maldito Dinheiro!

dinheiro

Hoje quero fazer uma abordagem um pouco peculiar sobre o dinheiro.

 

É importante por isso que leias este artigo até ao fim para interpretares corretamente a sua conotação.

 

Muitas vezes sonhamos com o momento em que temos dinheiro que chegue,

Dinheiro que chegue para “despedir o patrão”,

Dinheiro que chegue para mudar de vida,

Dinheiro para comprar uma casa noutro país ou viajar.



 

Mas quanto mais dinheiro temos, mais preocupações temos!? (será?)

Quanto mais dinheiro temos, mais compromissos assumimos,

Quanto mais dinheiro temos, mais pensamos em protegê-lo

Quanto mais dinheiro temos, mais medo temos.

 

 

A maioria das pessoas que aumenta os seus rendimentos gasta mais dinheiro. É normal! Sonharam fazê-lo toda a vida!

 

Mas quando mudamos de casa, quando começamos a ter hábitos mais caros…perdemos alguma tranquilidade.

 

Porque antes não tínhamos grande coisa a perder.

 

Mas depois de provarmos o luxo, torna-se muito mais difícil voltar à vida antiga.


A maioria das pessoas de sucesso vive com a “barriga aos saltos” de medo!


Medo de não conseguirem manter o nível de vida a que chegaram.

Medo de não conseguirem proteger as suas economias, do fisco, dos bancos, etc…

O exemplo mais flagrante é aquele das pessoas que ganham o euromilhões ou a lotaria. A maioria tornam-se depressivos e muitos suicidam-se!

 

Porquê?

 

 

Porque a maioria são pessoas simples como tu e eu. Que aprenderam durante toda a vida a contentar-se com pouco!

E a fortuna chegou de rompante. Sem que tivessem tempo de se preparar ou de a ver chegar.

E de repente querem ter tudo aquilo de que se viram privados durante toda a vida. Vivem no luxo e é claro que se habituam a ele.

O problema chega quando se apercebem as contas bancárias se esvaziam mais rapidamente que previsto…e que um dia serão obrigados a retornar à casa de partida.

 

 

É bem mais difícil comer kebab quando já se provou ostras com caviar e champanhe! 🙂

 

 

 

É mais difícil alugar um apartamento “manhoso”, quando já se viveu num hotel de 5 estrelas! 🙂

 

  

 

 

 

É por isto que vivem com “a barriga aos saltos” de medo. Medo da perda. Medo que tudo acabe.

 

E muitos empreendedores de sucesso vivem com este medo, o medo do pessoal que ganha a lotaria.

 

Queriam muito ganhar muito para serem livres…mas alguns acabam por ser ainda menos livres que antes.

 

No entanto poderiam viver de outra forma…

 

 

Poderiam investir o dinheiro e manter o nível de vida. Poderiam gerar retorno mais rápido do que o gastam.

 

O problema é que é mais difícil dizer que fazer. Quando estivemos privados de quase tudo aquilo com que sempre sonhamos durante 20, 30 ou 40 anos…e que de repente somos capazes de comprar tudo, ou quase tudo…é verdadeiramente difícil de não cometer os mesmos erros do que aqueles que ganham a lotaria.

 

Lembro-me bem de ter passado por algo semelhante quando ganhei os meus primeiros 10 mil dólares online…fiquei tão contente que em vez de os re-investir no meu negócio gastei-os todos em menos de 1 semana hehe 🙂

 
Só é possível sair deste registo mudando a forma como se vê o dinheiro!

 
Para mim tudo mudou quando comecei a olhar para o dinheiro, não como uma ferramenta para comprar coisas fixes…mas sim como uma ferramenta para comprar liberdade.

 

 

Passo a explicar:

 

Tal como todos os empreendedores que conheço, que começaram a ganhar 5, 10 ou 20 vezes acima da média sem ter havido grande transição…também me passei! É normal.

 

Comecei a almoçar e jantar fora todos os dias

Comecei a ficar em hotéis de 5 estrelas quando saia para fora

Comecei a comprar computadores novos para toda a família

Comecei a comprar smartphones topo gama

Comecei a frequentar os melhores restaurantes

 

E um dia entrei em pânico!

 

Comecei a aperceber-me que andava literalmente a “torrar” o dinheiro.

 

Foi aí que me sentei ao computador e comecei a pesquisar sobre este tema, e foi aí que encontrei o termo: “Lifestyle inflation”.  A inflação do modo de vida. Parece que é normal: quanto mais se ganha, mais se gasta. É um facto económico que se constata em todo o lado. Tanto com assalariados, como com empreendedores. Segundo as pesquisas que encontrei, não existe quase exceção nenhuma.

 

Então quanto mais se ganha, mais perigo corremos (na nossa cabeça). Pois habituamo-nos a viver melhor, habituamo-nos às extravagâncias, habituamo-nos a poder fazer quase tudo.

 

E assim sendo, o retrocesso, mesmo que seja apenas temporário, seria bem mais doloroso.

 

Então continuei a procurar e encontrei algo fantástico! Encontrei pessoas que pensam que o papel do dinheiro não é de comprar “coisas fixes”, mas sim de comprar liberdade!

 

 

E quando pensamos nisso faz todo o sentido: 100 euros a renderem 5% a prazo, rendem 5€ por anos…para toda a vida…

 

Então podemos dizer que uma nota de 100 euros é uma máquina de fabricar 5 euros por ano, para sempre. E que uma conta a prazo com 10.000 euros, é uma máquina de fabricar 500 euros por ano.

 

Finalmente, bastam 400.000 euros numa conta a prazo para gerar 1.600 euros por mês…para sempre. Isto é ser financeiramente independente certo?

 

Não rico! Mas completamente autónomo.

 

Então bastam 400.000 euros numa conta a prazo para se trabalhar unicamente por escolha, e não por obrigação. Deixamos de precisar de trabalhar para comer e habitarmos.

 

Claro que isto é um cálculo grosseiro. Tudo depende sempre de como e onde colocamos o dinheiro, da inflação e de outros parâmetros.

 

Mas normalmente estes 5% não falham muito.
Quando começamos a olhar para uma nota de 100 euros como uma máquina de fabricar 5 euros, começamos a olhar para o dinheiro de forma diferente.

 

Ao invés de servir para comprar “coisas fixes”, o dinheiro transforma-se numa ferramenta que compra anos de liberdade…

 

Isto mudou tudo para mim…

 

Peguei no meu caderno e comecei a fazer contas, comecei a calcular quanto precisava para comprar um mês de liberdade…um ano de liberdade…

 

E defini um objetivo, que foi certamente o melhor da minha carreira de Internet Marketer: Limitar as minhas despesas e conseguir “comprar” rapidamente 1 ano de liberdade, e para mim um ano de liberdade são 1600 euros X 12 meses…representam 19200 euros…nada de especial certo?

 

Mas representam um ano de autonomia…e com um ano de retorno adiantado, não se pensa da mesma forma. Deixamos de pensar a curto prazo, deixamos de pensar que este mês precisamos de não sei quantos euros. Começamos a pensar em termos de processo, construir uma máquina que rende sistematicamente X por ano…ou se forem como eu, uma máquina que gera X contactos por mês.

 

Enfim…muda tudo!
A paz de espírito que se ganha depois de se começar a pensar assim, trás tanto prazer como andar literalmente a “torrar” dinheiro 🙂

 

Hoje, mesmo que tenha melhorado o meu estilo de vida, uso sempre em primeiro lugar o dinheiro para comprar tempo de liberdade!
Experimenta!

Investe o teu dinheiro em algo rentável, como um negócio online e depois começa a poupar liberdade.

 

Dizermos que acabámos de “comprar” 3 dias de liberdade é bem mais fixe do que dizermos que poupámos 150 euros! Hehe

 

No entanto é exatamente esse o valor 🙂

 

Se hoje ainda não conseguiste atingir o retorno que gostarias, então este é o melhor momento para começares, porque quanto mais esperares, mais difícil será.

 

Começares agora mesmo depois de leres este artigo, vai motivar-te para começares a comprar os teus dias, meses e anos de liberdade!

 

REGISTA-TE

 

Forte abraço!

Autor: oliviercorreia

Sou um tipo bem disposto. Um pai de família. Há pouco mais de uma ano atrás, resolvi dizer basta ao emprego tradicional e a passar 10 horas por dia fora de casa, longe de quem amo. Hoje conquistei a minha liberdade, quer de tempo, quer financeira. Trabalho a partir de casa na Internet, faço o meu próprio horário e não dependo de patrões nem empregados. O meu foco principal é ajudar outros a fazerem o mesmo, ensinando-lhes as competências necessárias para tal. Se te interessa este estilo de vida e um rendimento bem acima da média, contacta-me.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *