Dicas Para Obter Clientes ou Parceiros Online

O teu grande desafio enquanto empreendedor online, se trabalhares com afiliados, vai ser impreterivelmente capturar prospetos e convertê-los em clientes e/ou parceiros (afiliados).

 

Esquece todos os outros pressupostos e clichés que conheces e encontras por aí.

 

Sim, é importante ter um bom plano de negócios. Sim, deves ter um plano de recurso. Sim, deves procurar parcerias interessantes. Mas mais importante do que tudo é isso é saber como adquirir contactos e convertê-los em clientes e/ou parceiros (afiliados).

 

Afinal, os clientes são a força motriz de qualquer negócio. Podes ter as melhores ideias do mundo, podes desenvolver um plano altamente detalhado de negócio, mas se não conseguires materializar tudo isso e fazeres vendas, então tudo será em vão.

 

Se fizermos uma analogia como mundo dos negócios podemos comparar a aquisição de clientes ao golo. Se tens uma estratégia de negócios delineada, mas não consegues captar clientes, és como aquelas equipas que dominam a posse de bola, parecem controlar as operações, mas são incapazes de marcar golo.

 

Concordas comigo?

Ok, então prossigamos 🙂

 

 

3 Dicas Para Conseguir Mais Clientes

 

 

Para que melhores a tua “finalização”, ou seja para que consigas converter mais clientes, deixo três dicas simples, mas valiosas:

 

  1. A tua estratégia deve ser previsível, escalável e lucrativa 

Deves procurar montar um processo de aquisição de clientes que incorpore três princípios:

 

Previsibilidade, escalabilidade e lucro. O processo de aquisição de clientes deve ser previsível para que te mantenhas sempre no controlo de todo o processo. Deves, por exemplo, conhecer detalhadamente as tuas taxas de conversão e pontos de alavancagem. A escalabilidade é necessária para que possas aumentar o número de clientes, à medida que o teu negócio progride.

 

Finalmente, o processo deve ser lucrativo – cada cliente e/ou parceiro adquirido deve dar um maior retorno do que aquilo que investiste para que ele chegasse até a ti.
Deixa-me dar-te o exemplo do meu negócio:

Eu sou afiliado da Empower Network e vendo cursos de Internet Marketing, cursos esses que ensinam tudo o que se pode querer saber sobre ganhar dinheiro na Internet. Consequentemente os cursos ensinam a vender os próprios cursos! Brilhante não é? Eu também achei 🙂

 

Em termos de previsibilidade, sei com toda a certeza que se capturar 113 contactos vou fazer 1 afiliado. (Estes são os meus números e são facilmente obtidos dividindo o número de pessoas que tenho na minha lista de contactos pelo número de afiliados que tenho à data de hoje). Isto mantém-me firmemente em controlo do processo de captura de clientes para o meu negócio.

 

Quanto à escalabilidade, entra aqui alguma técnica e conhecimento que adquiri, não só nos cursos que vendo, mas com os grupos de trabalho e parceiros de negócio com quem me envolvi. Os contactos (prospetos) que capturo são na sua grande maioria pagos, quer através de empresas especializadas que se encarregam de propagar o meu conteúdo pela internet e os motores de busca, quer através das redes sociais, nomeadamente o Facebook.

 

Portanto, se são pagos quer dizer que cada contacto tem um preço e embora esse preço seja variável, tenho sempre presente a média do preço. Logo quanto mais pagar, mais contactos faço, daí ser escalável.

 

O lucro, pode assim ser calculado tendo em conta a previsibilidade acima mencionada de uma forma muito simples, passo a explicar:

 

O preço a que obtenho os meus contactos ou subscritores, varia normalmente entre 0,50€ a 1,5€, por isso vamos dizer que os meus contactos têm um preço médio de 1€.

 

Também sei que em média, cada afiliado que tenho me gera uma comissão líquida de $1.100 dólares. Logo, tendo em conta que preciso de 113 contactos para fazer um afiliado, gasto 113€ ($125 dólares) para ganhar $1.100 dólares, o que dá um lucro previsível de $975 dólares por afiliado.

 

 

  1. A aquisição de clientes e/ou parceiros é um processo que envolve diversas áreas 

O que deves trabalhar para melhorar a tua capacidade de gerar clientes e parceiros?

 

A maioria das pessoas vai rapidamente responder: o marketing! Esta resposta está certa, mas incompleta. O marketing é apenas uma das áreas fundamentais para que consigas melhorar o teu processo de geração de novos clientes. Deves igualmente trabalhar as tuas Vendas!

 

Esta é uma etapa fundamental do processo de aquisição de clientes e é essencial que a mesma esteja bem oleada. Mais uma vez entram aqui os cursos da Empower Network e os treinos e formações que fazemos nos Lazy Millionaires, a minha equipa.

 

Por último e se estivéssemos a falar dos negócios tradicionais deverias oferecer um bom serviço de apoio ao cliente. No meu caso em marketing de afiliados isso é equivalente a “acompanhar os afiliados”, a ajudá-los a fazerem exatamente aquilo que eu faço e ensinando-lhes tudo o que sei com apoio do grupo e da equipa.

 

A isto chama-se ter um negócio duplicável.

 

Nunca te esqueças que qualquer que seja a tua área de intervenção, deves fazer com que os teus clientes se sintam apoiados e valorizados.

 

 

  1. As quatro etapas pelas quais o cliente ou afliado passa antes de fazer a compra 

Como podes gerar clientes ou afiliados, se não procurares perceber qual é o seu processo de decisão antes de avançar para a compra?

Podemos identificar quatro passos pelos quais um potencial cliente passa antes de realizar uma compra:

 

A descoberta. Muitas pessoas acham (como eu achava 2 anos atrás) que ganhar dinheiro na Internet era só para alguns, para os gurus das vendas e do desenvolvimento pessoal. Para além do facto de existirem uma quantidade enorme de logros e esquemas ilegais.

 

 

O primeiro passo acontece então quando conseguem perceber que qualquer pessoa com um portátil e uma ligação à internet desde que bem guiada, pode literalmente ganhar uma “pipa de massa” online! Mas normalmente ficam-se por esta etapa, sabem que é possível e como não sabem como param aí.

 

A etapa seguinte é quando aparece um problema. Normalmente a maioria das pessoas só fazem a descoberta, porque procuram e só procuram porque existe um problema, ou têm falta de dinheiro, ou têm falta de tempo para elas próprias e para a família e aí têm que fazer algo mais do que apenas se ficarem pela descoberta.

 

 

 

Surge então a Identificação de uma oportunidade, a avaliação de soluções para o problema, a pessoa consegue finalmente vislumbrar (umas mais que outras) uma luz ao fundo do túnel. Conseguem perceber que afinal trabalhar online se ensina e melhor ainda…que rende dinheiro tanto para quem ensina como para quem aprende. Uma situação de “win win” 🙂

 

 

Finalmente a etapa mais importante, a etapa de passar à ação, tomar a decisão de avançar e de começar a aprender a ganhar dinheiro online.

 

 

Normalmente é uma etapa envolta em dúvidas e receios, mas que rapidamente se dissipam aquando do primeiro contacto com o grupo e a equipa. O ambiente amistoso e acolhedor que encontram depois de se juntarem ao projeto faz toda a diferença e fornece uma fonte de motivação praticamente inesgotável.

 

 

Automatiza Estas Dicas

 

Como acontece com qualquer outra atividade, apenas conseguirás tirar o melhor partido de todas estas dicas se as trabalhares com empenho. É a repetição sistemática de uma tarefa que conduz à sua otimização, por isso estuda, explora, mas principalmente: aplica.

 

Se queres fazer parte de uma equipa fantástica e aprenderes a ganhar dinheiro online, esta é a tua oportunidade.
REGISTA-TE HOJE MESMO

Colocar ou não ação…eis a questão!

A ação nem sempre traz felicidade, mas não há felicidade sem ação

– William James

 

Dizer que de nada serve agir com força sobre um desejo, mas que se deve ao contrário deixar o universo tomar as rédeas, não significa que se deva não fazer nada.

Se não colocares nenhum ingrediente na tua panela, bem que a podes deixar ferver com água durante horas a fio que nunca farás nenhum guisado.

O que está em questão quando falamos de intenção, é construir em primeiro lugar no interior, a realidade que aspiramos viver no exterior, e a partir daqui deixar-se inspirar a agir desde este espaço.

Se pensares constantemente naquilo que queres, aquilo que dirás para ti mesmo em permanência é aquilo que ainda não tens. Irás habitar-te dessa falta. Assim, segundo o princípio da lei da atração, se te sintonizares na frequência daquilo que é, irás atrair essa falta e apenas a falta.

Em vez disso, tenta desenhar mentalmente os teus sonhos, tenta imaginá-los já realizados para sentires o que sentirás, impregna-te dessas sensações. Então quanto estiveres sintonizado nessa onda, deixa-te levar pelos contextos, pelos encontros, pelas oportunidades, deixa-te guiar para dares pequenos passos no sentido do teu objetivo.

Preenchendo-te desde o início das emoções positivas, que procuras sentir através da realização dos teus sonhos, podes desprender-te e desfrutar cada instante da jornada.

Desejo-te um resto de dia fantástico

Olivier

P.S.: Todas estas dicas sobre desenvolvimento pessoal estão contidas no Inner Circle. (Ver descrição abaixo)

 

Os 3 Inimigos do Desenvolvimento Pessoal

 

 

Acredito que existam 3 grandes inimigos ao desenvolvimento pessoal:

 

 

 

1º A Dúvida

 

As pessoas que se encontram neste registo, duvidam bastante das suas capacidades, das suas competências e até chegam a duvidar se merecem ou não.

O “truque” aqui é confrontar a dúvida, questioná-la:

– Porque duvido de mim? Alguém ou algo plantou esta semente? Fará esta dúvida parte do meu sistema de crenças?

A fé em nós próprios é o que aqui nos fará avançar! É o que nos fará confiar e procurar ajuda se necessário.

A solução é um passo de ação:

 

Ganhar coragem para ter autoconfiança e meter ação. Pois com a ação vém a competência, com a competência mais confiança e com a confiança mais ação.

Em psicologia chama-se o “Loop da competência e da confiança”

 

Quanto mais aprendemos e tentamos, mais sabemos e mais desenvolvemos
2º O Adiamento

O adiamento vem da dúvida muitas vezes, estes dois registos estão diretamente relacionados. Porém pode ainda não ser sempre assim.

Muitas vezes adiamos por tudo e por quase nada, não só porque duvidamos que somos capazes, mas tão simplesmente porque está a dar na TV aquele episódio da série dos “Vikings” que tanto queríamos ver. Ou simplesmente porque «não apetece», porque «dá trabalho».

O Ser Humano é indolente por natureza – Faço amanhã!

 

 

 

3º A Divisão

Neste registo existe um sentimento de divisão, de não pertencer, de ser diferente de todos.

Quem “sofre” de divisão são aquelas pessoas que dizem constantemente:

-Eles não me compreendem!

Quando alguém se encontra neste registo coloca barreiras e não faz conexões com os outros. Não sabe pedir ajuda, julga os outros, critica constantemente e não “deixa entrar” ninguém.

São estas as pessoas que se esquecem que a Humanidade está unida por uma força, uma energia comum. Um propósito de sobrevivência, comum à espécie inteira desde os primórdios dos tempos.

Quando não nos conectamos com os outros seres humanos, deixamos de estar conectados connosco.

O que se pode fazer?

O mais importante aqui é de facto tomar-se a consciência de que se está “embrenhado” no processo e depois AGIR…a ação é praticamente a solução para tudo!

Agir neste caso significa conectar-se, ir de encontro aos outros, envolver-se, dizer algo agradável a alguém, sentir os outros, perguntar, falar, tocar alguém. Criar empatia.

As relações profundas são “a cura” para a divisão.

Vou deixar-te um desafio antes de terminar este artigo:

Porque não fazeres deste dia, o dia em que redesenhas a tua vida? o dia em que metes ação no sentido da mudança!

Tem fé em ti! Mete ação! e desfruta o processo!

Forte abraço

Olivier

Otimismo

O Otimismo não se resume a um estado de espírito, é também uma forma de agir e de reagir.

De nada nos vale sermos otimistas, se ficarmos grudados ao sofá vendo

O Otimismo não se resume a um estado de espírito, é também uma forma de agir e de reagir.

De nada nos vale sermos otimistas, se ficarmos grudados ao sofá vendo televisão e comendo pipocas, pensando:

«Eu sei que esta situação vai passar!» ou «Eu sei que se for otimista e pensar positivo tudo se vai resolver»

Não, não se vai resolver, nem vai passar nada se não passarmos à ação. Atenção que ser otimista é ótimo, mas aliado à complacência é apenas uma ilusão que pode levar a médio prazo a grandes desilusões.

O otimismo até pode ser definido como uma aptidão mental com consequências comportamentais.

Aptidão mental – Face a um problema, partir sempre do presuposto que existe uma solução, quer venha de nós, dos outros ou do avanço natural da situação em torno do problema.
 

Consequência comportamental – Agir, no sentido das soluções serem facilitadas. Desenhar rápidamente um mapa mental por forma a poder-se verificar quais os caminhos a seguir no sentido da solução.

 

Não foi ao acaso que decido escrever-te hoje sobre o otimismo. Ontem aconteceu-me um episódio engraçado e já vais perceber como se enquadra nesta nossa conversa.

Como já te disse moro em Évora no Alentejo e desenvolvo o negócio da Empower Network em conjunto com a equipa dos Lazy Millionaires. E, em consequência deste negócio que desenvolvo, um amigo meu de longa data (o Bruno), decidiu vir visitar-me. Ele é de Vila Nova de Famalicão, no norte de Portugal e veio até Évora de comboio.

Assim que ele desceu do comboio, demos um abraço e quase nos atropelávamos a falar, já não via o Bruno em pessoa fazia mais de 20 anos e apenas 2 anos atrás nos reencontramos por assim dizer, nas redes sociais.

Equanto falávamos reparei que ele estava distraído e revirava os seu bolsos. Perguntei-lhe então:

«- Perdeste alguma coisa bruno?

– Sim acho que deixei os meus óculos de sol no comboio…»

 

Ui, não é algo de bom esquecer algo num comboio expresso que vai voltar a partir rapidamente sabe-se lá para onde. Propus-lhe rapidamente, sem acreditar muito naquilo que estava a dizer que se apressasse a ir ver ao cais se o comboio já tinha partido ou não.

«Tens razão, diz-me ele, tenho que tentar» e numa passada larga começou a ir em direção ao cais, contra o sentido da multidão de passageiros que acabara de desembarcar.

Enquanto o esperava, começo a pensar que as suas chances eram um pouco reduzidas. Mas afinal estamos a falar de otimismo, e era o que faltava começar a pensar como um pessimista e resignar-me com o facto dele ficar sem os óculos.

Ao fim de alguns minutos, o corredor que dava para o cais já estava vazio e ele ainda não tinha regressado. De repente mudei de crença: Já não temo que o comboio tenha partido com os óculos do Bruno, mas sim com ele a bordo…

Mas não…eis que o vejo chegar sorridente com os óculos recupedados “in extremis” na cabeça.

Fiquei contente por ele, e pela teoria do otimismo. 

O otimismo é escolher experimentar e passar à ação em vez de nos resignarmos. E funciona na maioria das vezes.

Adoro experimentá-lo na prática 🙂

 

Esta forma de aptidão mental para o otimismo pode aplicar-se a tudo, principalmente nas tomadas de decisão.

Por isso deixo-te aqui um pequeno desafio:

– Estás com dúvidas relativamente a criares o teu próprio negócio?

– Achas que não tens competências para o fazer?

– Achas que ter uma fonte de rendimento extra é só para os outros?

Dá o passo, regista-te aqui: http://oliviercorreia.com/c/joinen