A Felicidade

Continuo a surpreender-me, quando ouço as pessoas dizerem que não sabem ser felizes.

As pessoas agem como se a felicidade fosse uma força misteriosa e difícil de decifrar.

A felicidade é um dos temas mais estudadas da história da humanidade. Se olharmos para a psicologia e a filosofia, não é tudo aquilo que estas duas áreas têm feito ao longo de séculos?

Os princípios da felicidade são conhecidos!

Ver vídeo abaixo:

O que acontece é que por vezes, senso comum não significa prática comum, e as pessoas vêm-se embrenhados em ações que as levam precisamente a não serem felizes.

Sabemos que a felicidade advém da nossa forma de ver o mundo e a nossa vida. Depende da forma como vemos o nosso passado, o presente e o futuro.

Se olharmos para o passado com gratidão em vez de o ressentirmos, se filtrarmos as boas memórias e mesmo que tenham havido conflitos, lutas e desafios, e essencialmente se aceitarmos que o passado fez de nós quem somos hoje, podemos ser livres no presente!

Livres de ressentimento e livres de experimentar gratidão!

E No presente o que nos faz felizes?

Bem, aquilo eu que eu acredito e vivencio é que, se estivermos honesta e seriamente comprometidos com um objetivo de vida, todos os dias nos vamos desafiar mais um pouco e consequentemente fazer mais um pouco.

Ao agirmos desta forma, vamos sentir-nos preenchidos, sabendo que rumamos a passos largos para a concretização de um sonho.

Quanto ao “olhar sobre o futuro”, é apenas uma questão de antecipá-lo com entusiasmo, pois se estivermos seria e honestamente comprometidos com aquilo que queremos, o que queremos irá inequivocamente acontecer!

Saber disto faz-me feliz!

E mesmo que o futuro possa parecer em algumas ocasiões um pouco assustador, mesmo que antecipemos lutas e desafios (pois vão sempre existir). Devemos olhar para o amanhã com entusiasmo.

 

Vou dizer-te algo importante:

Se não consegues olhar para o amanhã com entusiasmo, não tem nada a ver com a realidade do amanhã!

Tem a ver com o teu ”mindset”, a tua mentalidade, ou a falta de uma mentalidade virada para a ação, uma mentalidade positiva, provavelmente pelo facto de teres sido pessimista e negativo durante muitos anos e que acabou por literalmente drenar a tua esperança!

A boa notícia é que existe uma “cura” para isso, a única coisa que tens que fazer é uma introspeção, um ponto da situação (vê aqui como) e tomares consciência de que tens vindo a envenenar a tua mente com falsas crenças.

Toma consciência!

Aceita o passado com gratidão, compromete-te no presente e olha para o futuro com entusiasmo!

Esta é a minha receita simples para a felicidade 🙂

Forte abraço!

Olivier

P.S.: Todas estas técnicas para um mindset de sucesso estão contidas na formação “INNER CIRCLE”. Que podes adquirir agora mesmo clicando na imagem abaixo:

Os 3 Inimigos do Desenvolvimento Pessoal

 

 

Acredito que existam 3 grandes inimigos ao desenvolvimento pessoal:

 

 

 

1º A Dúvida

 

As pessoas que se encontram neste registo, duvidam bastante das suas capacidades, das suas competências e até chegam a duvidar se merecem ou não.

O “truque” aqui é confrontar a dúvida, questioná-la:

– Porque duvido de mim? Alguém ou algo plantou esta semente? Fará esta dúvida parte do meu sistema de crenças?

A fé em nós próprios é o que aqui nos fará avançar! É o que nos fará confiar e procurar ajuda se necessário.

A solução é um passo de ação:

 

Ganhar coragem para ter autoconfiança e meter ação. Pois com a ação vém a competência, com a competência mais confiança e com a confiança mais ação.

Em psicologia chama-se o “Loop da competência e da confiança”

 

Quanto mais aprendemos e tentamos, mais sabemos e mais desenvolvemos
2º O Adiamento

O adiamento vem da dúvida muitas vezes, estes dois registos estão diretamente relacionados. Porém pode ainda não ser sempre assim.

Muitas vezes adiamos por tudo e por quase nada, não só porque duvidamos que somos capazes, mas tão simplesmente porque está a dar na TV aquele episódio da série dos “Vikings” que tanto queríamos ver. Ou simplesmente porque «não apetece», porque «dá trabalho».

O Ser Humano é indolente por natureza – Faço amanhã!

 

 

 

3º A Divisão

Neste registo existe um sentimento de divisão, de não pertencer, de ser diferente de todos.

Quem “sofre” de divisão são aquelas pessoas que dizem constantemente:

-Eles não me compreendem!

Quando alguém se encontra neste registo coloca barreiras e não faz conexões com os outros. Não sabe pedir ajuda, julga os outros, critica constantemente e não “deixa entrar” ninguém.

São estas as pessoas que se esquecem que a Humanidade está unida por uma força, uma energia comum. Um propósito de sobrevivência, comum à espécie inteira desde os primórdios dos tempos.

Quando não nos conectamos com os outros seres humanos, deixamos de estar conectados connosco.

O que se pode fazer?

O mais importante aqui é de facto tomar-se a consciência de que se está “embrenhado” no processo e depois AGIR…a ação é praticamente a solução para tudo!

Agir neste caso significa conectar-se, ir de encontro aos outros, envolver-se, dizer algo agradável a alguém, sentir os outros, perguntar, falar, tocar alguém. Criar empatia.

As relações profundas são “a cura” para a divisão.

Vou deixar-te um desafio antes de terminar este artigo:

Porque não fazeres deste dia, o dia em que redesenhas a tua vida? o dia em que metes ação no sentido da mudança!

Tem fé em ti! Mete ação! e desfruta o processo!

Forte abraço

Olivier

6 Etapas Para Obteres Tudo Aquilo que Queres na Vida 1/6

Com este artigo, vou iniciar uma série de 6 artigos, que te vão ajudar a obteres tudo aquilo que queres para a tua vida.

Já ouviste com toda a certeza, muita gente a queixar-se da vida, das suas condições, dos seus trabalhos.

As pessoas queixa-se mas não fazem nada para mudar a situação.

As pessoas sabem o que não querem

 

Ficarias surpreso de saberes quantas pessoas se contentam em apenas saber o que não querem. Todos sabemos o que não queremos:

 

  • Não quero este trabalho
  • Estou farto desta mulher, ou deste marido
  • Não quero mais esta vida de trabalho/casa casa/trabalho
  • Não quero estar desempregado

 

O pior de tudo, é que pela força de se falar nas dificuldades elas se acentuam!
 

Quando levamos as nossas dificuldades demasiado a sério, elas tornam-se mais reais.

 

Então a primeira coisa a fazeres é determinares aquilo que queres.
 

Pensa e descobre aquilo que realmente queres

Não te foques naquilo que não vai bem. Toma a decisão de saíres da tua zona de conforto e determina aquilo que realmente queres para ti.

 

 

O que queres REALMENTE para a tua vida?

 

Esta primeira etapa é muito importante pois vai dar-te um ponto de partida para te focares. Um objetivo. Um alvo.

 

Sê preciso no teu objetivo. Cria:

  • Uma imagem
  • Sons
  • Sensações
  • Odores
  • E já agora um gosto, algo que possas provar. 

Vê as coisas como se lá estivesses. Tens que habitar o teu objetivo.

 

Mas o objetivo pode estar ainda meio turvo, ou parecer longínquo. Podes por exemplo querer ser financeiramente independente e não saberes como fazê-lo. 

É aqui que intervém um segundo elemento:

 

O que te impede de atingires o teu objetivo?

 

Uma vez que saibas verdadeiramente o que queres para a tua vida, questiona-te acerca de quem ou o que te impede de o alcançares.
 

Talvez seja o medo da mudança, ou o medo do desconhecido, ou o medo de perderes o teu conforto

 

A mudança é sempre associada ao medo, à pena ou ao desconforto. 

Na próxima etapa irei abordar o tema: Como acolher a mudança.

Não percas o próximo artigo desta série, fica atento(a)  😉