Salta Fora!

Aquilo a que chamamos tradicionalmente a zona de conforto, é o conjunto de atividades, hábitos ou comportamentos que nos são familiares e que não ousamos deles sair, por medo de julgamentos externos ou do fracasso.

 

Evidentemente, a zona de conforto limita-nos, na nossa propensão a novas experiências e dá-nos uma visão obtusa do mundo que nos rodeia.

 

Sair esta famosa zona de conforto, é dar-se os meios, de não mais recear o desconhecido, de satisfazer a sede de conhecimento e como é óbvio, de nos aproximarmos da felicidade pessoal.
Hoje vou deixar-te umas dicas, para que o consigas fazer progressivamente.

 

 

1 – Mudanças progressivas com riscos limitados.

 

 

Sejamos realistas, não é possível colocarmos em questão, todos os nossos valores, formas de pensar ou opiniões de uma forma abrupta.
Afinal, são eles que estão na base do nosso desenvolvimento e que influenciaram a construção da nossa personalidade ao longo dos anos.

 

Sair da zona de conforto não significa negar quem és, aquilo que pensas ou que gostas: significa sim, dar-se os meios de fazer novas experiências, sem se fiar aos preconceitos que ecoam.
De uma forma quotidiana, é então possível desenvolveres a tua curiosidade e enriqueceres o teu saber, sem no entanto entrares em conflito com a tua forma de pensar.

 

Começa por coisas simples, que poderás efetuar ao abrigo dos olhares, a fim de tomares consciência de que saíres da tua zona de conforto é uma “démarche” que deve partir de dentro de ti, antes de te interessares aos seus prováveis efeitos sobre o meio que te rodeia.

 

Ouve música que não tem nada a ver contigo:

O facto de ouvires hard rock se és um fã de música clássica não representa nenhuma infidelidade para com os teus valores.

 

Todos os dias, experimenta ouvir novas músicas, novas bandas, novos artistas, sem te perguntares de antemão se te identificas com aquele estilo de música. Pessoalmente uso uma técnica muito eficaz.

 

Experimenta sites como: Deezer, Spotify ou Groove Shark (ou outros que te permitam ouvires musica gratuitamente) e coloca na barra de pesquisa a primeira palavra que te vier à mente.

 

Apenas terás de começar uma escuta atenta das músicas que aparecem na página de resultados.

 

Não gostas de uma música? Passa à próxima até te aparecer uma “pérola”.

 

Todos os dias descubro música dos mais variados géneros que nunca pensei que fosse possível gostar.

 
Esta manobra, por mais simples que seja, traz uma certa satisfação e prepara o terreno por forma a começares a habituar-te a saíres da tua zona de conforto.

 

Novas experiências culinárias:

 

Diz não às batatas fritas ou aos ovos estrelados que comes de dois em dois dias!
Chegou a hora de descobrir novos sabores e de colocar um pouco de audácia na tua cozinha.
Experimenta alimentação internacional!

 

Nada mais simples do que procurares sites que te propõem receitas que diferem bastante daquilo que estás habituado a comer. Cozinha e convida amigos, para tornares este momento mais agradável.

 

Podes até planear uma jornada “especial descobertas”, a fim de expandires os teus horizontes, e claro as tuas papilas gustativas, hehe.

 

Uma outra forma de saíres da tua zona de conforto através da culinária é pesquisares receitas com alimentos que sempre achaste que não gostavas, ou que não te diziam nada.

 

Comi no fim-de-semana que passou o melhor gratinado de couve de flor da minha vida, e acreditem que é daqueles legumes que achava completamente sensaborão.

 

Uma experiência que recomendo vivamente!

 

Estas mudanças de hábitos podem parecer mínimas e até mesmo inúteis.

No entanto, não é senão alterando a tua perceção daquilo que aprecias, alargando os teus conhecimentos e experiências, até nas áreas menos significativas, que conseguirás apreender mais facilmente a importância de desafiar as tuas barreiras psicológicas e a abrires-te ao desconhecido.

 

 

2- Sai da tua zona de conforto e afirma-te aos olhos do mundo

 

 

Uma vez que tenhas realizado, que a mudança em si não é negativa, poderás começar a assumir mais facilmente os olhares alheios e a reforçar a tua autoconfiança. Poderás então começar a sentir-te até muito mais social do que antes.

 

A interação é sempre portadora de dúvida e medo, pois achamos (com razão) que o nosso comportamento é avaliado segundo as normas definidas pelo nosso ambiente.
Estando isto estabelecido, nada te impede de te chegares à frente e te assumires como uma pessoa capaz de iniciar contacto com aqueles que te rodeiam, mesmo que não os conheças.

 

Para saíres da tua zona de conforto e ao mesmo tempo multiplicares encontros e reforçar a tua “aura” junto de membros do teu meio, basta que reveles um pouco mais to que estás habituado a fazê-lo.
Como já te tinha falado neste artigo sobre “os olhares dos outros”, deves libertar-te dos julgamentos externos, está na hora de colocares a teoria deste artigo em prática.
Começa simplesmente por afixares em ti um enorme sorriso e de cumprimentares de forma genuína todos aqueles que se cruzam contigo.
Desta forma demonstras segurança e irás emanar a impressão de corresponderes às expectativas relacionais que predominam no teu meio.
Posto isto, tenta simplesmente tomar uma parte mais importante aquando das conversas entre colegas e amigos, podes até iniciá-las, partilhando as experiências efetuadas graças aos processos da primeira parte descrita neste artigo.

 

 

Nunca duvides do facto das pessoas querem conhecer a tua opinião.

Traz muito mais do que um longo silêncio e tem no mínimo o mesmo valor da opinião de qualquer outro indivíduo.

 

 

Apenas o teu receio te leva a pensar que as tuas opiniões não têm interesse ou importância.

 

 

3- Sai da tua zona de conforto assumindo as tuas ambições.

 

O sucesso pessoal causa receio.

 

Parece inacessível, longínquo e fruto mais da sorte do que vontade.

 

Esta reflexão é típica de alguém que só pensa em segurança e que está completamente “enfiado” na sua zona de conforto. Recusando quaisquer ideia que impliquem riscos.
O risco é no entanto um dos maiores fatores de estímulo pessoal. É este que nos dá uma enorme satisfação quando ultrapassado.

 

É o motor, o pilar de todo o sucesso. Um projeto apenas se transforma em sucesso quando confrontado com a sua realidade material, quando é lançado no terreno e quando se ergue face às dificuldades. Eu gosto mais de lhes chamar obstáculos.

 

Sair da tua zona de conforto é arriscares!

 

Tens vontade de mudar de vida? De mudar de atividade? De criares valor acrescentado pelas tuas próprias mãos? Porque hesitas?

 

Este é o momento…o TEU MOMENTO!

 

Lança-te!

 

Sê ambicioso(a), dá início!

 

A realização pessoal é a melhor ferramenta para saíres da tua zona de conforto.

 

Falo-te com conhecimento de causa…

15 Meses atrás estava desempregado, depois do meu negócio ter ido á falência…

Sabia que se ganhavam milhares de dólares diariamente na Internet…
Mas achava que não era para mim…achava que não deveria conseguir…

 

Até que ousei sair da minha zona de conforto.

 

E foi a melhor decisão que tomei na vida.

Hoje trabalho para mim, trabalho em casa, faço estes artigos para ti e nunca ganhei tanto dinheiro na minha vida!

Tu também podes, tu também podes ser livre!

 

Basta fazeres o teu registo aqui por $25 dólares e começares com eu comecei. A grande diferença será que eu te vou acompanhar passo a passo e ensinar-te tudo o que sei para ter estes resultados.

 

A zona de conforto, é aquela pequena voz na tua cabeça, que te diz « Não, não faças isto »; « Isto não é para ti »; « Tu não és capaz »; « não arrisques », etc…

 

Mas na realidade, é apenas uma limitação pessoal absurda que nos impede de nos desenvolver e que devemos absolutamente combater se quisermos viver a nossa vida em pleno!

 

Sabes agora o que tens a fazer!


Salta Fora!

 

REGISTA-TE AQUI

Como Identificar a Tua Zona de Conforto ?

Muitos artigos e sites vão desafiar-te a deixares a tua zona de conforto – Como Identificar a Tua Zona de Conforto ?

Muitos artigos e sites vão desafiar-te a deixares a tua zona de conforto a fim de desenvolveres novas capacidades e captares novas oportunidades.


Acho muito bem e recomendo, como já o fiz tantas vezes neste blog. Mas hoje estava aqui a pensar com os meus botões e lembrei-me que já houve tempos em que eu nem sabia onde ou o que era a minha zona de conforto.
 

Por isso acho ótimo que todos explorem fora das suas zonas de conforto, mas ainda assim é preciso conhecê-la.

Como determinar do que é composta? Quais os aspetos a conservar e quais aqueles a evoluir?

Hoje vou insistir neste ponto e mostrar-te Como Identificar a Tua Zona de Conforto.

Esta é uma das bases mais importantes do desenvolvimento pessoal pela ação.

Então, o que é a zona de conforto?

Em primeiro lugar quero reportar-me á definição exata do conceito de “zona de conforto” que diz o seguinte:

– A zona de conforto representa o conjunto de hábitos e comportamentos que adotamos no nosso quotidiano
 

Ou seja, representa o conjunto das nossas crenças, conhecimentos e o nosso “saber fazer” ou know how acerca de tudo o que conhecemos. Engloba ainda todas as regras que aceitamos ou pelas quais vivemos e todos os preconceitos que temos acerca deste ou aquele tema.

Trata-se então de tudo o que é rotina, habitual e todas aquelas coisas que dominamos, que nos são familiares. A zona de conforto constitui o nosso quotidiano, traz-nos uma sensação de conforto e segurança.

Isto engloba os 2 principais aspetos das nossas vidas:

A nossa vida privada: Por exemplo a forma como organizamos o nosso dia, as relações que temos dentro da nossa família, vizinhos, amigos, etc. resumidamente são todas aquelas atividades que fazemos a cada dia da semana ou fim de semana, seja quando vamos de férias sejam as opiniões e ideias em que acreditamos profundamente.

A nossa vida profissional: Aqui a zona de conforto ilustra-se pelas competências que usamos e detemos, o nível de responsabilidade e autonomia de que dispomos, as relações que temos dentro de uma hierarquia de trabalho (felizmente já não tenho nada disso, hehe), os colegas e amigos do trabalho ou profissão.

Como vez estamos aqui a falar de vastos conjuntos de noções, das quais nem sempre temos consciência.

Tudo isto parece normal.
 

Ao longo dos anos, à medida que vamos criando “hábitos de vida” e que desenvolvemos novas competências e oportunidades a zona de conforto expande-se. O que é fantástico, pois para se expandir tivemos que sair dela 🙂

 

Agora que definimos concretamente Como Identificar a Tua Zona de Conforto, vou apresentar-te um questionário composto por 4 perguntas que te permitirão identificar muito facilmente os limites da tua zona de conforto.

Este exercício é muito importante, convido-te a arranjares agora mesmo tempo para o fazeres 🙂

Porque é interessante delimitar esta zona de conforto?

Delimitar a nossa zona de conforto é antes de mais aprender a nos conhecermos melhor, tomar consciência de que ela existe. É ainda consciencializarmo-nos que esta noção é composta de hábitos e crenças que estão “ancorados” em nós desde sempre.

E isto permite-nos interrogar sobre a pertinência dos nossos hábitos e comportamentos.

É autoconhecimento e puro desenvolvimento pessoal!
 

Eis então as 4 questões que deves absolutamente fazer:

– Os meus hábitos e comportamentos estão 100% adequados ao meu mundo, ao meu modo de vida e aquilo que desejo atingir na vida?

– Quais são as minhas qualidades, trunfos e competências hoje? (se tiveres dificuldade em determinar estes aspetos pergunta a alguém do teu meio que te ajude)

– As minhas qualidades, trunfos e competências (identificados na questão acima) são suficientes para responder aos desafios que vou ter durante o percurso de conseguir aquilo que quero para a minha vida?

– Todos os meus hábitos de vida que consigo identificar em mim serão ditados por influências exteriores? (a minha educação, influência familiar, a sociedade na qual evoluo).

Respondendo a estas questões vais ser agora capaz de delimitar aquilo que realmente é teu, que te pertence e com que estás à vontade.

Esta é uma base essencial, na qual te podes apoiar para ires mais longe em muitas áreas da tua vida.

A zona de conforto não é algo negativo. Todos precisamos de nos sentir confortáveis e á vontade na vida. Todos precisamos de fundamentos que nos garantam um certo nível de segurança.
 

Mas até que ponto?

Cuidado…não te tranques numa jaula dourada 🙂

Se gostas de desenvolvimento pessoal e deste tema em particular tenho um desafio para ti, uma escola de desenvolvimento onde vais aprender coisas fantásticas juntamente com uma profissão que poderás desenvolver em part-time ou full-time que te irá capacitar para tanto mais…

Regista-te AQUI

Forte Abraço