Rendimento Residual…Para Sempre!

Este vai ser um artigo muito curto e tem

apenas uma intenção:

  [fancy_box id=6] VENDER-TE A TUA LIBERDADE![/fancy_box]

Não acreditas? Então lê com atenção:

No decorrer do nosso evento LifeXtreme
que durou todo o fim de semana passado,
desde quinta a Domingo, apresentámos
um novo plano de trabalho, um plano de
trabalho tão brutal, que nem dormi de noite.
 

[fancy_box id=3]

Faria diferença na tua vida teres um rendimento
mensal residual de $1.650 dólares, para sempre?

[/fancy_box]

 
 
E se para receberes $1.650 dólares todos os meses,
tivesses que pagar $190 dólares…todos os meses?
 
 
Ainda ficarias com $1.460 dólares! €1.300 Euros! 
R5.700 Reais! TODOS OS MESES!
 
 
E sabes quanto tempo demora a atingires este rendimento?
 
O tempo de fazeres 20 vendas!
 
 
Fazes 20 vendas desse mesmo valor e tens o teu
RENDIMENTO MENSAL RESIDUAL FIXO
PARA SEMPRE!!!
 
 
Vou recrutar apenas 15 pessoas, com quem vou
trabalhar pessoalmente para executar este plano
de trabalho. VAIS SER UMA DELAS?
 
 
Se achas que sabes seguir instruções e tens
humildade em querer aprender a fazeres estas
20 vendas para obteres o teu rendimento residual
 
 

Não te esqueças que vais ter que investir $190
 
 
Assim que te registares fala comigo no skype:
O meu skype é: oliviercorreia1
 
 
 
 
Até já 😉

Como fazer Boas Escolhas Sempre!

Fazer boas escolhas – Uma interrogação quotidiana!


Devo aceitar este novo trabalho? Devo continuar os estudos ou procurar emprego? Será o momento indicado para constituir família? Que tipo de casa ou apartamento me agradaria mais?

Fazer boas escolhas pode parecer difícil.

 

A ideia de tomar uma decisão pode criar um clima de ansiedade. No entanto a vida é feita de escolhas em permanência.

 

Todos os dias fazemos escolhas. Algumas obviamente mais importantes que outras e mais decisivas. Mas as pequenas escolhas de hoje, podem ter um forte impacto a longo prazo.

 

É então necessário considerar as escolhas como um todo, como um conjunto, quaisquer que sejam a sua importância ou relevância.

 

Aprender a fazer boas escolhas no quotidiano é vital, permite-nos avançar na vida sem dependermos dos outros.

 

Infelizmente, o medo de nos enganarmos, de falharmos, de não tomar boas decisões ou até de nos arrependermos, pode impedir-nos de fazer escolhas.


Como saber então qual a melhor escolha a fazer? Como saber qual a melhor decisão a tomar?

 

Para responderes a estas questões podes utilizar os dois métodos seguintes:

 

A abordagem racional

 

 

 

Podes adotar uma abordagem racional fazendo:

 

– Pesando os prós e os contras

– Analisando as consequências da tomada de decisão

– Interrogando-te acerca das razões profundas da tua escolha

 

Este método apresenta as seguintes vantagens para se conseguirem fazer boas escolhas:

 

Tempo de reflexão. A escolha final será baseada em elementos tangíveis.

Esta forma pode ser-te conveniente, sobretudo se fores uma pessoa mais racional do que intuitiva.

 

No entanto o “racional” em demasia também tem os seus inconvenientes. É impossível prever o futuro e as suposições serão forçosamente aleatórias.

Para além disso com uma reflexão demasiado ”forçada”, arriscamo-nos a adiar a decisão “ad eternum”.

Quando esperamos até analisar todos os ângulos, arriscamo-nos a permanecer numa espécie de limbo da “não escolha”.

 

Hoje tenho a certeza de algo, as decisões tomam-se rapidamente!

 

E quando o teu coração te sopra algo diferente?

 

 

A abordagem intuitiva

 

 

Uma outra abordagem para tomar boas decisões, consiste em fazer confiança naquilo que sentimos, a apelar às nossas emoções.

 

Esta abordagem para fazer escolhas tem a vantagem de estar centrada exclusivamente em nós próprios. Podemos tomar uma decisão apenas em função de fatores internos.

 

Esta é sem dúvida aquela que mais utilizo.

 

Mas…decidindo apenas em função do que sentimos, pode ser por vezes algo frágil e extremamente subjetivo.

 

 

Então qual seria a receita para se fazer uma boa escolha?

 

Em primeiro lugar, penso que não existe nenhum método ideal para se tomarem boas decisões e iniciarmos algo novo.

 

Penso no entanto, que, para abordar a questão das escolhas, devemos sim abandonar 2 formas de pensar:

 

 

  • Fugir do perfecionismo:

 

Não existem escolhas perfeitas. A única coisa que podes fazer, é agir tendo refletido e “escutando” aquilo que sentes.

 

Agindo, testas as soluções!

 

E sim…tens o direito de te enganares.

 

Aliás…não te enganaste…agiste

 

Ao menos saberás que tentaste e não ficaste no “limbo” 🙂

 

Fizeste algo!

 

Depois fazes o balanço. Podes assim saber se a tua escolha foi acertada ou não. Podes analisar as circunstâncias que te levaram ao resultado obtido. E podes recomeçar, mudando as circunstâncias, tomando outro rumo.

 

 

  • Desdramatiza

 

A maior parte das escolhas ou tomadas de decisão não são irremediáveis.

Raras são as escolhas absolutamente definitivas, por isso…desdramatiza a tua tomada de decisão. Tem mais a ver com barreiras mentais e a ideia que temos das circunstâncias atuais que nos travam!


Será sempre tempo de fazer novas escolhas, de tomar novas decisões, de mudar e de melhorar.

 

Se tiveres sempre presente, que não existem escolhas perfeitas e desdramatizares a tomada de decisão, estas questões deixarão de ser um problema para ti, pois terás banido da tua mente, o medo de falhar.

 

 

Cada escolha será uma experiência de vida e a soma destas experiências, constituirá então o teu caminho de vida…em toda a sua singularidade.

 

 

Tu podes fazer hoje a tua escolha de vida!

 

 

Junta-te a este movimento de pessoas livres!

Regista-te!

Porque Sou um Lazy Millionaire?

“Esquece o medo, confia nos teus recursos interiores. Tu podes muito mais do que pensas!”
Ralph Waldo Emerson


Já reparaste que são aqueles que melhor cozinham, que mais exigentes são para com eles quando recebem visitas em casa?

Que aqueles que melhor falam em público, são os mais críticos em relação às suas próprias prestações?

Que aqueles que mais empatia têm, são os que têm mais receio de ferir suscetibilidades?

Que são aqueles que mais tentam agradar, que receiam não ser suficientemente generosos?

Quantas mais qualidades e competências temos numa determinada área, mais temos a sensação de não fazer que chegue, de não estar à altura.

Para quem tem algum complexo ou sentimento de inferioridade numa determinada área, a boa notícia é que, todos nós temos muitos mais recursos interiores do aquilo em que acreditamos!

 

 


“Uma erva daninha é apenas uma planta cujas suas virtudes não foram encontradas.”

– Ralph Waldo Emerson

 

 

 

Uma coisa é certa: Aquilo que achamos não ter num lado, a vida encarrega-se de nos dar pelo outro.

Se por exemplo, não te sentes á vontade em eventos sociais, talvez tenhas um talento inato para criar ambientes calorosos em pequenos grupos.

Os grandes discursos podem não ser o teu forte, mas talvez as tuas capacidades de escutar e de sentir empatia são tais, que é fácil confiar em ti.

Podes não ser tão espontâneo como querias, mas talvez tenhas uma calma invejável.

Achas que não és criativo? Lembra-te das vezes em que contaram com a tua capacidade de análise, síntese e organização.

Achas que tens falta de humor? Lembra-te que a tua companhia é sempre bem-vinda e procurada, pela tua constante alegria.

Achas que tens duas “mãos esquerdas”? Que não tens jeito para nada que seja “manual”? O mais certo é teres uma inteligência conceitual, uma enorme capacidade de interpretares qualquer manual de instruções por menos explicito que seja. Fazendo de ti alguém insubstituível em qualquer atividade destas.
Quando nos comparamos com os outros, podemos sempre achar que somos menos…ou que somos mais…mas será mesmo assim?


Ninguém é perfeito, nem totalmente completo…mas ao mesmo tempo todos o somos na nossa unicidade, na forma singular em que a vida se exprime através de cada um de nós.

É por isso que o ser humano sempre procurou estar com outros seres humanos, é por isso que um grupo de pessoas com o mesmo objetivo têm mais força do que um “lobo solitário” que teima em remar contra a maré.

É por isso que eu me rodeio de pessoas excecionais, de pessoas que pensam como eu, de pessoas que servem o mesmo propósito e, de pessoas que se completam.

 

É por isso que sou um Lazy Millionaire!

Olivier Correia

MAIS SOBRE ESTE GRUPO AQUI